Saltar para o conteúdo

Curso Breve: “Entendendo Polipoesia”

22/11/2018

© Cartaz de Rui Silva.

No próximo dia 5 de dezembro de 2018, entre as 14h30 e 18h00, na Sala do Instituto de Estudos Brasileiros (5º piso, FLUC), Frederico Fernandes (Universidade Estadual de Londrina), leciona o curso breve “Entendendo Polipoesia”. Atividade organizada pelo Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura e pelo Instituto de Estudos Brasileiros, com o apoio do Centro de Literatura Portuguesa e do Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas da Universidade de Coimbra.

Sinopse

Em 2017, o Manifesto da Polipoesia completou 30 anos de lançamento. Em linhas gerais, pode-se dizer que este manifesto de vanguarda, apresentado em Valência (Espanha) pelo poeta italiano Enzo Minarelli, encara questões cruciais para o campo das vanguardas, que se tornaram contundentes na virada do século XX para o XXI, tais como: o emprego das tecnologias na poesia, a performance, a linguagem sonora e visual. A Polipoesia não possui bem uma nacionalidade, ela se espalhou pela Europa e América, com vários adeptos e praticantes. Sua característica principal reside no experimentalismo poético, de múltiplas linguagens. Este pequeno curso tem por objetivo refletir sobre a polipoesia e seus impactos no campo literário. Para tanto, serão abordados os seguintes tópicos:

Parte 1:

  1. Antecedentes vanguardista e linguagens remanescentes.
  2. Poesia abstrata, performance da contemplação.
  3. O Manifesto da Polipoesia

Parte 2:

  1. O que é um multipoeta?
  2. Instituições invisíveis, o alcance da produção polipoética
  3. Performance polipoética: práxis e política.

Objetivo:

Levar o estudante de pós-graduação a tomar contato com movimentos experimentais de vanguarda com o intuito, principalmente, de fazê-lo refletir sobre a utilização de novas tecnologias no campo do fazer poético-experimental.

Referências:

Agamben, Giorgio (1994). L’uomo senza contenuto. Macerata: Quodlibet.
Bürger, Peter (1984). Theory of The Avant-Garde. Translated by Michael Shaw. Minneapolis: University of Minnesota Press.
Cauquelin, Anne (2005). Arte Contemporâena: uma introdução. Translated by Rejane Janowitzer. São Paulo: Martins Fontes.
Debord, Guy (1994). The society of Spectacle. Translated by Donald Nicholson­Smith. New York: Zone Books. In: http://www.antiworld.se/project/references/texts/The_Society%20_Of%20_The%20_Spectacle.pdf
Even-Zohar, Itamar (1990). “Polissystem Stuidies.” In: Poetics Today. International Journal for Theory and Analysis of Literature and Communication. vol.11, n.1, p.1-268.
Minarelli, Enzo (1999). “The Manifesto of Polypoetry Is 12 Years Old”. In:  http://glukhomania.ncca-kaliningrad.ru/pr_sonorus.php3?blang=eng&t=0&p=27
Minarelli, Enzo (2005). Polipoesia Mon Amour. Pasian di Prato: Campanotto Editore.
Minarelli, Enzo (2010). Polipoesia entre as poéticas da voz no século XX. Translated by  Frederico Fernandes, Londrina: Eduel.
Minarelli, Enzo (2010ª). NemBROT e Altri Lbri & Oggetto 1974-2010. Sordevolo: Zero Gravità.
Minarelli, Enzo (2014). As razões da voz: entrevista com protagonistas da poesia sonora no século XX. Edited and Transleted by Frederico Fernandes. Londrina: Eduel.

 

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: