Saltar para o conteúdo

Materialidades da Literatura na Torre Literária

26/05/2022
Foto de Cecília Magalhães, Fundação Cupertino de Miranda, 13-05-2022.

No passado dia 13 de maio de 2022, o Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas fez uma visita de estudo à Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão. Esta visita integra-se num conjunto de iniciativas que pretendem dar a conhecer o património artístico e literário da Fundação, por um lado, e as atividades de investigação, ensino e criação desenvolvidas no DLLC e na FLUC, por outro. Assim, para além da visita guiada à exposição permanente “Torre Literária: Louvor e Simplificação da Literatura Portuguesa” e à exposição temporária patente no Museu (“Rui Aguiar – Das Raízes Dispersas”), a presença na Fundação incluiu atividades organizadas e concebidas por estudantes do nosso Departamento no Auditório da Fundação: ao final da manhã, cinco estudantes do Doutoramento em Materialidades da Literatura apresentaram estudos de caso relacionados com os seus projetos de investigação doutoral; a meio da tarde, nove estudantes do Mestrado em Escrita Criativa mostraram trabalho de criação desenvolvido no âmbito dos seminários, através de leituras, leituras encenadas e vídeos.

Sob a designação comum “Materialidades da Literatura na Torre Literária: novos objetos de investigação em estudos literários”, foram apresentadas três comunicações exemplificativas de abordagens teóricas e metodológicas aos processos de mediação e construção da experiência literária. Tendo como objetivo principal dar a conhecer o DML aos participantes nesta visita, as comunicações incidiram sobre tópicos como escrita e leitura, invenção e permutação, escuta e interação, analógico e digital:

  1. Thales Estefani e Patrícia Reina, “(Im)probabilidade literária: texto-objeto-feijão-mágico e o processo combinatório na leitura”
  2. Mafalda Lalanda e Elena Soressi, “Audiolivros ou ler com os ouvidos”
  3. Cecília Magalhães, “O Arquivo Digital do Livro do Desassossego

Joshua Alma Enslen, Song of Exile

15/05/2022
Joshua Alma Enslen, Song of Exile (West Lafayette, IN: Purdue University Press, 2022). Cover artwork: Alaina Enslen.

Foi publicado em abril de 2022 o livro Song of Exile: A Cultural History of Brazil’s Most Popular Poem, 1846–2018 (Purdue University Press), de Joshua Alma Enslen. Integrada na coleção Purdue Studies in Romance Literatures, esta obra é um dos resultados do projeto pós-doutoral em Materialidades da Literatura de Joshua Enslen, desenvolvido no ano letivo 2015-2016. Outros resultados desse projeto incluem um ciclo de três exposições (Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, 2016, Festival FOLIO 2016 e Galeria Caleidoscópio da Universidade de Lisboa, 2017), um protótipo de um sítio web para visualização das redes intertextuais entre as 500 imitações e paródias do poema de António Gonçalves Dias analisadas, além de vários artigos. O livro está também disponível em acesso aberto nesta ligação: https://docs.lib.purdue.edu/psrl/1/

Sinopse

Song of Exile: A Cultural History of Brazil’s Most Popular Poem, 1846–2018 is the first comprehensive study of the influence of Antônio Gonçalves Dias’s “Canção do exílio.” Written in Coimbra, Portugal, in 1843 by a homesick student longing for Brazil, “Song of Exile” has inspired thousands of parodies and pastiches, and new variations continue to appear to this day. Every generation of Brazilian writers has adapted the poem’s Romantic verses to glorify the wonders of the nation or to criticize it via parody, exposing a litany of issues that have plagued the country’s progress over the years. Based on a core of five hundred texts painstakingly gathered over a five-year span, this book catalogs the networks of the poem’s reinvention as pastiche and parody in Brazilian print culture from nineteenth-century periodicals to new media. Mapping the reoccurrences of the original’s keywords and phrases over time, the book uncovers how the poem has been used by successive generations to write and rewrite the nation’s history. This process of reinvention has guaranteed the permanency of “Song of Exile” in Brazilian culture, making it not only the nation’s most popular poem, but one of the most imitated in the world.

As mil e duas noites (Materialidades da Literatura no Anozero 21-22, Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra)

01/05/2022

O Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura através do projeto “As mil e duas noites”, produzido por Elizama Almeida, Elena Soressi e Mafalda Lalanda, em colaboração com o projeto “Paginário”, de Leonardo Villa-Forte (PUC-Rio), participa na programação convergente do Anozero 21-22, Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra (09-04-2022 a 26-06-2022). A apresentação d’ “As mil e duas noites” decorre na próxima terça-feira, dia 3 de maio de 2022, pelas 18h30 (hora de Lisboa), via Zoom. Além das autoras, a apresentação conta com a participação de Lu Lessa Ventarola e Manuel Portela. Trata-se de uma iniciativa do MATLIT LAB: Laboratório de Humanidades, com o apoio do Centro de Literatura Portuguesa.

Sinopse

As mil e duas noites resulta de uma pesquisa intensa, extensa e colaborativa sobre como o tema da noite é expresso em livros de diversos gêneros e autores, com privilégio para poesia, romance, narrativas curtas, ensaios e textos híbridos.

Ao evocar o clássico As mil e uma noites ressaltamos, por um lado, a noite como o lugar onde a sobrevivência é disputada por meio de histórias – ao menos até o dia seguinte – e, por outro, ao propor a imagem de uma milésima segunda noite, buscamos pensar na literatura como uma capacidade expandida de contar, escutar e interagir com o espaço e com o tempo.

Em diálogo com a proposta curatorial, a noite é investigada em três dimensões. Uma delas seria a simbólica, que inclui o ocaso, o sombrio, o sono, o sonho; outra dimensão seria a alegórica, como a noite política ou a noite histórica; e a terceira compreende a noite a partir uma perspectiva narrativa, isto é, como um estilo de escrita não transparente ou um idioma não conhecido parece jogar o leitor para uma determinada escuridão de sentidos.

A proposta ganha a forma do Paginário, projeto que, embora possua uma dupla dimensão – obra visual, se vista de longe, e obra textual, quando apreciada de perto –, reside no convite à literatura de forma material, manual e interativa. O Paginário é uma aproximação entre as diferenças e uma leitura que estabelece continuidades ou ruídos pelo imprevisto das conexões formadas.

As mil e duas noites consiste no processo de fotocópia de 1.002 páginas de livros com trechos sobre a noite distribuídas em vários murais. O mural de maior dimensão, com 253+1 folhas, será instalado na Casa Municipal da Cultura de Coimbra, e os restantes murais, de menor dimensão, com 107 folhas cada, sejam espalhados pela cidade de Coimbra, conforme as permissões concedidas pela câmara municipal. Os murais são acompanhados por marcadores como um convite aos visitantes leitores, presentes na Bienal, ou aos passantes, presentes na rua, para um corpo a corpo com a leitura, destacando dali seus trechos favoritos.

Visualidades e Contravisualidades (Escola de Verão CES)

13/04/2022

A Escola de Verão CES “Visualidades e Contravisualidades” decorrerá entre 20 e 24 de junho, no Centro de Estudos Sociais e na Casa da Escrita, em Coimbra. Coordenada por Patrícia Silva (Investigadora CES) e Maria José Canelo (Investigadora CES e docente FLUC), esta iniciativa do Centro de Estudos Sociais conta com as seguintes parcerias: Programa de Doutoramento “Discursos: Cultura, História e Sociedade” (CES-FLUC), Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (CLP-FLUC), Mestrado em Escrita Criativa (FLUC) e Câmara Municipal de Coimbra (Casa da Escrita). Programa e inscrições disponíveis nesta ligação: https://ces.uc.pt/summerwinterschools/?lang=1&id=38165

O alargamento do âmbito das Humanidades viabilizado pelos Estudos Culturais permitiu o entendimento de que o poder não se aloja apenas em objetos textuais e a imagem emergiu, nas últimas décadas, com especial relevância enquanto objeto codificado e codificador de ideologias e práticas sociais que urge analisar, entender e explicar. Os estudos visuais são uma das ramificações dos Estudos Culturais e esta CES-SS visa a transmissão de conhecimento produzido por investigadoras/es do CES, de outras unidades da Universidade de Coimbra e de outras instituições, que desenvolvem investigação neste domínio, a estudantes de pós-graduação e jovens investigadoras/es. O seu objetivo é desenvolver uma reflexão teórica e análise crítica articuladas sobre fenómenos associados a objetos e práticas visuais, bem como sobre o próprio conceito de visual.

Doutoramento Nº 19

21/03/2022

Realizam-se no próximo dia 28 de março de 2022, pelas 14h30, na Sala José Anastácio da Cunha (Departamento de Matemática), as provas de doutoramento em Materialidades da Literatura de Ernest Christian Bowes Junior, candidato da quinta edição do Programa, que teve início em 2014-2015. O candidato apresenta a tese «Alucinação e Virtualidade: Elementos de uma Materialidade Artística em Henri Michaux» (2021), orientada por Pedro Serra (Universidade de Salamanca) e Manuel Portela (Universidade de Coimbra).

O júri, nomeado por despacho reitoral de 24 de janeiro de 2022, tem a seguinte constituição:
Presidente:
Osvaldo Manuel Silvestre (Professor Associado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
Vogais:
Germán Labrador Mendéz (Professor Catedrático, Universidade de Princeton)
Pedro Serra (Professor Catedrático, Universidade de Salamanca)
Eunice Ribeiro (Professora Catedrática, Escola de Letras, Artes e Ciências Humanas da Universidade do Minho)
Marta Teixeira Anacleto (Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
Graça Capinha (Professora Auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)

Esta tese – a décima nona do Programa de Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura – integra-se numa das linhas de investigação do Programa dedicada à análise da relação entre processos de escrita e tecnologias mediais (Ex Machina: Inscrição e Literatura, subtema “escrita e inscrição”). Ernest Bowes Jr. investiga a relação entre imagem e escrita na obra de Henri Michaux, propondo o conceito de mescaligrafia para descrever a singularidade de uma criação estética mediada pela virtualidade alucinógena da mescalina.

Resumo [excerto]

O presente trabalho Alucinação e Virtualidade: Elementos de uma materialidade artística em Henri Michaux apresenta como plano de investigação um estudo avançado sobre a materialidade da escrita e da imagem na obra de Henri Michaux, sua fenomenologia e performance literária. Neste cenário, a pesquisa teve como objetivo analisar o que se entende por experiência alucinógena e a capacidade desta vivência para servir de modelo à criação artística, mas também as relações desta experiência com a imagem e a escrita. A tese buscou explorar como a criação estética com o uso da mescalina em Michaux sustenta a ideia de um território virtual alucinógeno, ou espaço de infinitos turbulentos, produtor de uma própria economia linguística. Este trabalho baseou-se em uma série de teorias culturais, visuais, artísticas e literárias que descrevem a experiência alucinógena e argumentam sobre a importância de congregar o texto e a imagem como elementos inextricavelmente imbricados no processo de criação estética.

Materialidades da Literatura 2022-2023: candidaturas abertas

14/03/2022
DML Guia do Programa | DML Programme Handbook

Encontram-se abertas as candidaturas para o Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (Programa de Doutoramento FCT) para a edição com início em 2022-2023. As candidaturas decorrem em três fases: 5 vagas na 1ª Fase, de 1 a 31 de março de 2022; 4 vagas na 2ª Fase, 1 de junho a 15 de julho de 2022; 1 vaga mais sobrantes na 3ª Fase, 1 a 13 de setembro de 2022. O edital referente ao processo de candidatura pode ser consultado aqui.

Perguntas Frequentes

A) Quais os critérios de seriação na candidatura ao Programa?
A seriação dos candidatos ao Programa obedece aos seguintes critérios:

1) Classificações obtidas nos níveis de titulação com que se apresenta (30%);

2) Mérito científico do projeto preliminar do candidato (30%) – este projeto preliminar deverá enquadrar-se numa das três linhas de investigação do Programa: “Ex Machina: Inscrição e Literatura” (cf. http://www.uc.pt/fluc/clp/inv/proj/meddig/exmach); “Vox Media: A Voz na Literatura” (cf. http://www.uc.pt/fluc/clp/inv/proj/meddig/voxmed); ou “ReCodex: Formas e Transformações do Livro” (cf. http://www.uc.pt/fluc/clp/inv/proj/meddig/recod);

3) Habilitações específicas relevantes para o âmbito científico do curso (10%);

4) Currículo científico (10%);

5) Currículo profissional (10%);

6) Entrevista (10%). NOTA: A entrevista decorrerá em data a agendar, entre a data de encerramento de cada fase de candidatura e a data prevista para disponibilização da lista de seriação provisória, de acordo com horário a comunicar aos/às candidatos/as por correio eletrónico. A entrevista pode ser realizada por teleconferência.

B) Existem Bolsas de Doutoramento a atribuir pelo Programa?
Nas candidaturas 2022-2023, não estão previstas quaisquer bolsas FCT a atribuir pelo Programa através do Centro de Literatura Portuguesa. Encontra-se neste momento aberto o concurso individual Bolsas de Investigação para Doutoramento da FCT – 2022 https://www.fct.pt/apoios/bolsas/concursos/individuais2022.phtml.pt Apresentação de candidaturas: 8 de março a 7 de abril de 2022, 17:00H (hora de Lisboa) 

C) Como se faz a candidatura?
As candidaturas são feitas através do sistema de informação da Universidade de Coimbra. As instruções para o processo de candidatura em linha podem ser consultadas aqui: https://www.uc.pt/candidatos/online 

D) Qual é o valor da propina anual do Programa?
A propina anual do Programa é atualmente de 1417,00 €, a pagar em prestações.

Mais informações nas seguintes entradas:

1. O que é o Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura?

2. Plano de Estudos do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (Cf. Despacho Nº 2666_2011, Diário da República_2ª série_Nº26_de 7 de Fevereiro de 2011, pp. 6913-6914)

3. Docentes e Professores Convidados do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (2010-2022)

4. Estudantes do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (2010-2022)

5. Requisitos de Acesso ao Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura

6. Procedimentos de candidatura

7. Reconhecimento do Programa para efeitos de progressão na Carreira Docente

8. Vídeos com depoimentos de Doutorandos e registos de seminários de Professores Convidados (2011-2014)

9. MATLIT em 90 segundos (2018): dez projetos de Doutoramento do Programa explicados pelos respetivos autores em 90 segundos (2018)

10. MATLIT:  Materialidades da Literatura (Revista científica de âmbito internacional cobrindo as diversas linhas de investigação do Programa – 13 números publicados, 2013-2021)

11. Arquivo LdoD: Arquivo Digital Colaborativo do Livro do Desassossego (2017-2022): resultado principal de projeto de investigação do Centro de Literatura Portuguesa financiado pela FCT, desenvolvido no âmbito do Grupo de Investigação «Mediação Digital e Materialidades da Literatura»

12. Ex Machina: Inscrição e Literatura (2015-2022): projeto de investigação do Centro de Literatura Portuguesa, desenvolvido no âmbito do Grupo de Investigação «Mediação Digital e Materialidades da Literatura»

13. Vox Media: A Voz na Literatura (2015-2022): projeto de investigação do Centro de Literatura Portuguesa, desenvolvido no âmbito do Grupo de Investigação «Mediação Digital e Materialidades da Literatura» (Vox Media website)

14. ReCodex: Formas e Transformações do Livro (2015-2022): projeto de investigação do Centro de Literatura Portuguesa, desenvolvido no âmbito do Grupo de Investigação «Mediação Digital e Materialidades da Literatura»

15. Inanimate Alice: Tradução de Literatura Digital em Contexto Educativo (2016-2018): projeto de investigação do Centro de Literatura Portuguesa, desenvolvido no âmbito do Grupo de Investigação «Mediação Digital e Materialidades da Literatura»

16. Estudos Literários Digitais (14-15 de maio de 2015) | Digital Literary Studies (May 14-15, 2015): colóquio internacional organizado pelo Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura

17. Language and the Interface (2015): exposição internacional organizada pelo Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura

18. Variações sobre António: Um Colóquio em Torno de António Variações (7-8 dezembro 2017): colóquio organizado pelo Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura e pela Área de Estudos Artísticos da Faculdade de Letras de Coimbra

19. Teaching Digital Literature (June 25-26, 2019) | Ensino da Literatura Digital (25-26 de junho de 2019): colóquio internacional organizado pelo Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura

20. Caminhos da Literatura no MATLIT LAB: Um Laboratório de Humanidades (2019): exposição de criações literárias experimentais produzidas no âmbito do Programa

21. Histórico das atividades do Programa (2010-2022)

22. 2010-2020: Dez Anos de Materialidades da Literatura

23. MATLIT LAB: Laboratório de Humanidades (2019-2022)

24. Vox Lit: Podcast do Programa Doutoral em Materialidades da Literatura (2021-2022)

25. Última avaliação do Programa pela A3ES (Agência de Acreditação e Avaliação do Ensino Superior) (4-11-2021)

Esclarecimentos adicionais: Prof. Manuel Portela, mportela@fl.uc.pt

Materialidades da Literatura na 3MT

11/03/2022

3MT (3 minute-Thesis Competition) é uma iniciativa que promove a apresentação de projetos de Doutoramento pelos estudantes da UC em apenas 3 minutos. O objetivo principal é desenvolver competências de comunicação de ciência. Aos participantes é pedido que expliquem a sua investigação utilizando uma linguagem adaptada ao público não especialista. Constitui também uma oportunidade para que estudantes de Doutoramento de diversas áreas científicas se conheçam e partilhem a sua investigação. Serve ainda para promover a UC a nível internacional, uma vez que o selecionado na final da UC irá representar a Universidade de Coimbra no encontro anual do Coimbra Group (consórcio fundado em 1985 e que integra atualmente 41 universidades europeias). A final internacional decorre entre 7 e 10 de junho de 2022. Este modelo de apresentação teve início em 2008, na Universidade de Queensland na Austrália. A prática foi entretanto adotada por inúmeras instituições em todo o mundo.

Na edição de 2022, entre os 20 finalistas UC encontra-se uma estudante do Doutoramento em Materialidades da Literatura: Elena Soressi, estudante da edição 2020-2021, cujo projeto se intitula «Cartografia da cidade contada: de como as narrativas sobre Luanda criam uma polifonia de vozes literárias». A final da UC decorre hoje, dia 11 de março, a partir das 14h30, na Sala Almedina do Convento de São Francisco e é transmitida pelo canal YouTube da UC: https://www.youtube.com/watch?v=TaBv5_120W0

VOX LIT – episódio 5

08/03/2022

MATLIT volume 10.1 (2022): Call for Papers

23/02/2022

The journal MATLIT: Materialities of Literature has released its Call for Papers for the next issue, to be published in 2022. Under the general topic “Designing and Making for Social Change in the Digital Arts, Humanities, and Heritage: Theory & Practice”, issue 10.1 will be edited by Susan Schreibman (Maastricht University) and Claartje Rasterhoff (Maastricht University).

DEADLINE: Article submissions will be due on June 15, 2022, with notifications of acceptance/rejection by September 1, 2022. MATLIT publishes articles in the following languages: Portuguese, English, and Spanish. Authors must register and upload their files through the journal platform here: https://impactum-journals.uc.pt/matlit/user/register. For submission guidelines go to: https://impactum-journals.uc.pt/matlit/about/submissions. Further information can be obtained by contacting the issue editors, Susan Schreibman s.schreibman@maastrichtuniversity.nl and Claartje Rasterhoff c.rasterhoff@maastrichtuniversity.nl


A revista MATLIT: Materialidades da Literatura acaba de divulgar a Call for Papers para o próximo número, a publicar em 2022. Sob o tema geral “Desenhar e Fazer para a Mudança Social nas Artes Digitais, Humanidades e Património: Teoria e Prática”, o número 10.1 será organizado por Susan Schreibman (Maastricht University) e Claartje Rasterhoff (Maastricht University).

PRAZO: A submissão de artigos encerra a 15 de junho de 2022. As notificações de aceitação/rejeição serão enviadas até 1 de setembro de 2022. MATLIT publica  artigos nas seguintes línguas: Português, Inglês e Espanhol.  Os autores devem registar-se e submeter os artigos na plataforma da revista: https://impactum-journals.uc.pt/matlit/user/register. A informação sobre as normas de apresentação encontra-se em:  https://impactum-journals.uc.pt/matlit/about/submissions. Mais informações podem ser obtidas contactando as editoras deste número: Susan Schreibman s.schreibman@maastrichtuniversity.nl e Claartje Rasterhoff c.rasterhoff@maastrichtuniversity.nl.


La revista MATLIT: Materialidades de la Literatura ha lanzado la Convocatoria de Artículos para el próximo número, que se publicará en 2022. Bajo el tema general ““Diseñar y hacer para el cambio social en las artes digitales, las humanidades y el patrimonio: teoría y práctica”, el número 10.1 será editado por Susan Schreibman (Maastricht University) y Claartje Rasterhoff (Maastricht University).

FECHA LÍMITE: Envío de artículos hasta el 15 de junio de 2022, con notificaciones de aceptación/rechazo hasta el 1 de septiembre de 2022. MATLIT publica artículos en los siguientes idiomas: portugués, inglés y español. Los autores deben registrarse y cargar sus archivos a través de la plataforma: https://impactum-journals.uc.pt/matlit/user/register. Información detallada sobre las directrices para autores disponible en: https://impactum-journals.uc.pt/matlit/about/submissions. Se puede obtener más información contactando a las editoras: Susan Schreibman s.schreibman@maastrichtuniversity.nl e Claartje Rasterhoff c.rasterhoff@maastrichtuniversity.nl.

Apresentação da revista Colóquio Letras Nº 209 “A Voz na Literatura”

10/02/2022

A apresentação do último número da revista Colóquio/Letras, cuja secção temática é dedicada ao tema “A Voz na Literatura”, terá lugar no próximo dia 15 de fevereiro de 2022, entre as 18h e as 19.30, via Zoom.

A secção temática inclui vários artigos produzidos por membros do projeto “Vox Media: A Voz na Literatura” do Grupo de Investigação “Mediação Digital e Materialidades da Literatura”.

Tópico: Colóquio/Letras: A Voz na Literatura
Hora: 15 fev. 2022 06:00 da tarde Lisboa

Ligação Zoom
https://videoconf-colibri.zoom.us/j/86718640499?pwd=anZuSHNqeTBaV3N1a3pWdmhvZVIvUT09

Doutoramento Nº 18

02/02/2022

Realizam-se no próximo dia 25 de fevereiro de 2022, pelas 14h30, na Sala José Anastácio da Cunha (Departamento de Matemática), as provas de doutoramento em Materialidades da Literatura de Rita Catania Marrone, candidata da quinta edição do Programa, que teve início em 2014-2015. A candidata apresenta a tese «Os “livros ocultos” de Fernando Pessoa: um estudo da biblioteca esotérica de Fernando Pessoa» (2021), orientada por António Apolinário Lourenço (Universidade de Coimbra) e Osvaldo Manuel Silvestre (Universidade de Coimbra).

O júri, nomeado por despacho reitoral de 23 de novembro de 2021, tem a seguinte constituição:
Presidente:
Manuel Portela (Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
Vogais:
Orietta Abbati (Professora Associada da Universidade de Turim)
Rita Patrício (Professora Associada da Universidade de Lisboa)
Pedro Sepúlveda (Professor Auxiliar da Universidade Nova de Lisboa)
Osvaldo Manuel Silvestre (Professor Associado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
Diego Giménez (Investigador do Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra)

Esta tese – a décima oitava do Programa de Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura – integra-se numa das linhas de investigação do Programa dedicada à análise da relação entre processos de escrita e tecnologias mediais (Ex Machina: Inscrição e Literatura, subtema “escrita e inscrição”). Rita Marrone investiga a presença do esoterismo na obra de Fernando Pessoa a partir da análise das suas leituras e da sua biblioteca particular.

Resumo [excerto]

A presente tese de doutoramento investiga o papel das leituras esotéricas de Fernando Pessoa, a partir do estudo da sua biblioteca. A pergunta à qual se pretendeu dar resposta é de que forma foram reelaboradas as leituras no âmbito do esoterismo na direção da escrita e da criação literária. O objetivo foi o de criar um espaço de estudo em que fosse possível, ao mesmo tempo, investigar a relevância da biblioteca na constelação de factores que participam na criação da obra e determinar o contributo do esoterismo ocidental para a construção da própria.

Tomando como eixos o conceito de esoterismo ocidental a partir da formulação de Antoine Faivre e o de biblioteca, no seu aspecto material, virtual e ideal, no rumo teórico que Mazzino Montinari chegou a idear no caso da biblioteca de Friedrich Nietzsche, a investigação debruça-se, num primeiro momento, sobre o acervo livreiro à guarda da Casa Fernando Pessoa e sobre o espólio à guarda da Biblioteca Nacional de Portugal, com o objetivo de obter um levantamento o mais completo possível de documentos que se referem ao esoterismo ocidental na posse do poeta. Após a circunscrição de um núcleo central de obras à volta do qual podem ser identificados os principais interesses de Pessoa em relação ao esoterismo ocidental, passa-se a analisar um núcleo temático específico, o da Maçonaria, abrindo o caminho para os escritos de Fernando Pessoa, alguns dos quais inéditos, que fazem referência a esta temática. Isto permite um exame cruzado entre a biblioteca e os escritos pessoanos, proporcionando uma visão exemplar de como se completam e complementam um com o outro, estabelecendo um diálogo contínuo e profícuo.

Projetos de tese 2022

20/01/2022

A décima edição do Programa de Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura teve início em 2020-2021. Tal como previsto pelo plano de estudos (https://matlit.wordpress.com/programa/), no final do terceiro semestre realiza-se uma prova de qualificação, que consiste na defesa pública do projeto de tese de doutoramento. As provas de qualificação da décima edição do Programa têm lugar nos dias 27 e 28 de janeiro de 2022, e 8 de abril de 2022, de acordo com o horário indicado a seguir:

27 de janeiro de 2022
Projeto: Ana Mafalda Pintassilgo Rodrigues Lalanda Grácio (Bolsa FCT UI/BD/150856/2021), «A escuta como leitura aural: a medialidade literária do audiolivro»
Hora: 10h00, Sala Ferreira Lima (6º piso, FLUC)
Júri
Manuel Portela (UC, pres.)
Filipe Reis (ISCTE-IUL, arguente)
Clara Keating (UC, orient.)

Projeto: Jaqueline Conte (Bolsa FCT BD/08183/2021), «Tear Poético: a remediação digital na poesia portuguesa e brasileira para crianças»
Hora: 11h30, Sala Ferreira Lima (6º piso, FLUC)
Júri
Manuel Portela (UC, pres.)
José António Gomes (arguente, ESE-IPP)
Edgar Roberto Kirschoff (Universidade Luterana do Brasil, arguente)
Ana Maria Machado (UC, orient.)

28 de janeiro de 2022
Projeto:  Elizama Almeida de Oliveira, «Um sopro de vida em desedição: pedaços, avessos e outros personagens nos manuscritos»
Hora: 10h00, Sala Ferreira Lima (6º piso, FLUC)
Júri
Clara Keating (UC, pres.)
João Dionísio (FLUL, arguente)
Manuel Portela (UC, orient.)

Projeto:  Francisco Pedro Guimarães Brochado e Silva, «O design como prática de escrita»
Hora: 11h30, Sala Ferreira Lima (6º piso, FLUC)
Júri
Clara Keating (UC, pres.)
Sofial Leal Rodrigues (FBAUL, arguente)
Manuel Portela (UC, orient.)

Projeto: Elena Soressi, «Cartografia da cidade contada: de como as narrativas sobre Luanda criam uma polifonia de vozes literárias»
Hora: 14h30, Sala Ferreira Lima (6º piso, FLUC)
Júri
Osvaldo Manuel Silvestre (UC, pres.)
Doris Wieser (FLUC, arguente)
Catarina Martins (UC, orient.)

8 de abril de 2022
Projeto: Jordan Eason, «Graphic Graded Readers from Os Cus de Judas for Learners of Portuguese as a Foreign Language in the North American Military Context»
Hora: 14h00, Zoom
Júri
Manuel Portela (UC, pres.)
Ana Sousa Martins (CLUNL, arguente)
Ana Maria Machado (UC, orient.)

A prova relativa ao projeto de tese da nona edição do Programa realizou-se 21 de janeiro de 2020.

As provas relativas aos cinco projetos de tese da oitava edição do Programa realizaram-se a 10 e 11 de julho de 2019.

As provas relativas aos nove projetos de tese da sétima edição do Programa realizaram-se a 18, 19 e 26 de janeiro de 2018, e a 10 de julho de 2018.

As provas relativas aos nove projetos de tese da sexta edição do Programa realizaram-se a 18, 19 e 20 de janeiro de 2017.

As provas relativas aos oito projetos de tese da quinta edição do Programa realizaram-se a 29 de janeiro e 3 de fevereiro de 2016.

As provas relativas aos cinco projetos de tese da quarta edição do Programa realizaram-se a 23 de janeiro de 2015.

As provas relativas aos cinco projetos de tese da terceira edição do Programa realizaram-se a 24 de janeiro de 2014.

As provas relativas aos três projetos de tese da segunda edição do Programa realizaram-se a 1 de fevereiro de 2013.

As provas relativas aos quatro projetos de tese da primeira edição do Programa realizaram-se a 27 de janeiro de 2012.

VOX LIT – episódio 4

13/01/2022

COLÓQUIO/Letras (Jan 2022): A Voz na Literatura

13/01/2022
Colóquio Letras, Nº 209 (janeiro de 2022)

Não há literatura sem um processo de inscrição material que faz de cada signo uma coisa no mundo fenomenal, para ser vista antes de ser lida, e para ser lida (em silêncio ou não). Ou então, para ser dita, o que é uma outra forma de inscrição material, precedendo e dispensando a escrita ou seguindo-se a ela.

Os artigos do núcleo principal deste número exploram algumas dimensões do fenómeno literário afetadas pela voz enquanto medium da literatura. Não se trata de buscar um privilégio da Origem para o estudo da dimensão vocal do fenómeno literário, mas sim de admitir a relevância de tal estudo para uma versão mais completa, simultaneamente moderna e arcaica, de literatura. As dimensões da voz são estudadas em obras de Homero, Gil Vicente, Camões, Manuel Bandeira, Augusto de Campos e José Emílio-Nelson, respetivamente por José Manuel Cuesta Abad, Nuno Meireles, Matheus de Brito, Osvaldo Manuel Silvestre, Eduardo Sterzi e Pedro Serra.

Na secção de documentos, Mariana Maurício revela um conjunto de cartas que a pianista Maria da Graça Amado da Cunha (1919-2001) — notável intérprete das obras de Fernando Lopes Graça — escreveu aos amigos. Um deles, Alberto de Lacerda, lamentou “que Maria da Graça não tenha escrito memórias”: “conheceu, por assim dizer, toda a gente, de todas as gerações, gente célebre e menos célebre, de Casais Monteiro a Isabel da Nóbrega, de Jorge Peixinho a Manuel Dias da Fonseca e Arminda Correia, de Louis Saguer a João Gaspar Simões e Emmanuel Nunes, compositor que muito admirava. A lista seria interminável”. Ora, essas memórias ou essa autobiografia, embora não publicada, está nas mais de mil páginas enviadas por Amado da Cunha ao poeta e aos correspondentes que manteve entre 1934 e 2000, e de que Mariana Maurício nos apresenta agora uma amostra (em cartas para Ilse Losa, José Rodrigues Miguéis e Alberto de Lacerda).

Para ilustrar o número, João Penalva criou a série O Telefone de Jean Heiberg.

Colóquio Letras, Nº 209 (janeiro de 2022), sumário.

Revista 2i, 3.4 (2021): Literatura e Fotografia

31/12/2021

Revista 2i – Revista de Estudos de Identidade e Intermedialidade acaba de publicar o volume 3.4 (2021), dedicado ao tema “Literatura e Fotografia: Outras cartografias do olhar”, organizado por Isabel Cristina Pinto Mateus, José Cândido de Oliveira Martins e Duarte Belo. A Revista 2i é publicada pelo Grupo de Investigação em Identidade(s) e Intermedialidade(s) do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho.

Num momento em que ainda não são muito frequentes no espaço lusófono os estudos sobre as relações interdisciplinares da fotografia com outras artes e formas de conhecimento do mundo, cremos que este volume temático da Revista 2i se revela um contributo relevante, na diversidade apresentada de artigos, entrevistas e recensões. Desde logo, a sua importância manifesta-se na variedade de tópicos abordados sobre a arte da fotografia (do analógico ao digital), quer nas considerações de natureza mais histórica, quer sobretudo nas reflexões em torno dos diversos rumos da fotografia contemporânea, nomeadamente nas várias questões axiais dos domínios da identidade e da intermedialidade. Eloquentes exemplos destes estudos em expansão podem encontrar-se no recente número temático “Fotolivros de Literatura: Teoria e História”, da revista Materialidades da Literatura, vol. 9 N.º 1 (2021) ou em volumes como Transactions Photolittéraires, (Presses Universitaires de Rennes, 2015) e Littérature et Photographie (Presses Universitaires de Rennes, 2008), organizados por Jean-Pierre Montier, Photography and Literature (Reaktion Books, 2009) de François Brunet, ou ainda La Littérature à l’ère de la Photographie: Enquête sur une révolution invisible (Éditions Jacqueline Chambon, 2002), de Philippe Ortel.

Os textos que constituem este volume temático sobre Literatura e Fotografia: Outras cartografias do olhar são um modo de formular questões, de abrir caminho e de reforçar linhas de investigação muito atuais e prometedoras –desde a complexidade da representação inerente à arte da fotografia; a relação múltipla de tempo e espaço; a fecunda relação da fotografia com outras linguagens; a abertura provocada pela fotografia para outros modelos de leitura intermedial, para além da velha leitura sequencial; a criação de objetos híbridos, como o álbum fotoliterário, o fotolivro, entre outras formas de narrativas intermediais até à importância do discurso fotográfico na construção da memória e da pós-memória.

Isabel Cristina Pinto Mateus, José Cândido de Oliveira Martins e Duarte Belo

MATLIT recebe o selo DOAJ

21/12/2021
Directory of Open Access Journals (homepage screenshot).

A revista MATLIT: Materialidades da Literatura (2182-8830) recebeu em 2021 o selo DOAJ (Directory of Open Access Journals). Trata-se de uma classificação que destaca as revistas que seguem as melhores práticas de publicação em acesso aberto. A atribuição do selo DOAJ depende do cumprimento cumulativo de sete critérios: preservação digital a longo prazo, uso de identificadores de artigos persistentes, carregamento dos metadados da revista no diretório DOAJ, uso da licença Creative Commons do tipo CC-BY, inclusão dessa licença na versão integral de todos os artigos, atribuição dos direitos de copyright e de republicação aos autores sem quaisquer restrições, e autorização de autoarquivamento e republicação em repositórios institucionais ou outros. Este conjunto de sete critérios tem por objetivo garantir a descoberta, circulação, partilha e reutilização da informação segundo princípios de acesso aberto pleno. Apenas 10% das 17 000 revistas atualmente registadas no Diretório de Revistas de Acesso Aberto recebeu o selo DOAJ.

Arqueologia da Figura Llansoliana ou a Arte de Descascar Conceitos

08/12/2021
© Cartaz de Patrícia Reina.

Oitava conferência do ciclo “Conferências MATLIT 2021”, 15 de dezembro 2021, 18h00, Sala 14 (6º piso): Ana Rita Sousa, Arqueologia da Figura Llansoliana ou a Arte de Descascar ConceitosConferências MATLIT 2021 (Programa Completo). Organização: MATLIT LAB – Laboratório de Humanidades, Doutoramento em Materialidades da Literatura e Centro de Literatura Portuguesa.

NOTA: Esta conferência, que tem lugar na Sala 14 (6º piso, FLUC), será também transmitida via Colibri-Zoom através da ligação seguinte: https://videoconf-colibri.zoom.us/j/3454748493?pwd=ZGVsQnJ3NytDUkcwSTBpeXBlUDZSUT09

Sinopse

Maria Gabriela Llansol (1931-2007) foi talvez a autora mais radical da ficção portuguesa durante o último quartel do século XX. Com mais de duas dezenas de livros, a obra de Llansol procurou sempre, e por distintos caminhos, enfrentar-se a qualquer tipo de “naturalização” do adquirido, ou seja, os seus temas e/ou protagonistas e/ou epifanias procuram compreender como nos regemos por certas práticas – sociais, políticas, culturais, e, no limite, literárias – aceitando-as como inquestionáveis ou inutilmente questionáveis. Neste sentido, o seu texto vai desconstruindo as expectativas próprias da ficção narrativa, ao mesmo tempo que procura fomentar outros interesses e ansiedades no leitor. Nesta procura, em que se desfazem mitos, estruturas sintáticas, episódios históricos e um ou outro ser humano, vai-se construindo um mapa conceptual diferente que, sobreposto à crítica literária atual, iluminasse novos pontos de perceção da língua e da literatura. O termo “figura” surge assim como parte da dinâmica de meta-literária e meta-crítica em que Maria Gabriela Llansol foi desdobrando parte do seu texto.

Nota biográfica

Ana Rita Sousa é licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade do Porto e Doutora pelo Programa de Materialidades da Literatura da Universidade de Coimbra. É investigadora em literatura portuguesa e literatura latino-americana dos sécs. XX e XXI, tendo participado em diversos encontros científicos especializados e publicado em algumas revistas na América Latina. Foi professora de língua e literatura portuguesa na Universidade de Guadalajara, em 2019, e desde 2020 exerce funções de leitora do Instituto Camões na UNAM, colaborando com aulas de licenciatura e mestrado nesta instituição.

Apresentação da MATLIT 9.1 “Fotolivros de Literatura: Teoria e História”

06/12/2021
© Cartaz de Pedro Brochado.

No próximo dia 14 de dezembro de 2021, pelas 16h00, o volume 9.1 da revista MATLIT: Materialidades da Literatura, intitulado “Fotolivros de Literatura: Teoria e História”, será apresentado pelos editores Ana Luiza Fernandes (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), Karl Erik Schollhammer (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) e João Queiroz (Universidade Federal de Juiz de Fora). A apresentação terá lugar por videoconferência através da plataforma Colibri-Zoom. As coordenadas da sala virtual são as seguintes: https://videoconf-colibri.zoom.us/j/3454748493?pwd=ZGVsQnJ3NytDUkcwSTBpeXBlUDZSUT09. Esta iniciativa é organizada pelo Programa de Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura e pelo Centro de Literatura Portuguesa (CLP).

MATLIT: Materialidades da Literatura é uma revista em linha, arbitrada por pares e em acesso aberto, publicada pela Imprensa da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra. A revista aborda as mediações tecnológicas e materiais das práticas literárias, focando em particular a tipograficalidade, a digitalidade, a auralidade e a intermedialidade. O seu campo de investigação vai dos estudos literários aos estudos comparados dos média e às humanidades digitais. MATLIT usa como línguas de trabalho o português, o inglês e o espanhol. Adotando uma perspetiva interdisciplinar e transmedial, a revista organiza-se em números temáticos. Para cada número é produzida uma Call for Papers. Arquivo da revista MATLIT (2013-2021): 13 números, 254 artigos.

Curso breve por Gustavo Silveira

02/12/2021
© Cartaz de Ana Sabino.

Nos próximos dias 7 e 9 de dezembro 2021, entre as 14h00 e 18h00, decorre no Instituto de Estudos Brasileiros o curso breve «Do não-objeto às poéticas da expansão: modulações performáticas», lecionado por Gustavo Silveira (Universidade Federal de Minas Gerais), a partir da obra de Paulo Brusky, Lenora de Barros, Ricardo Aleixo e Marília Garcia. Trata-se de uma organização conjunta do Instituto de Estudos Brasileiros da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura.

Gustavo Silveira é professor do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da UFMG (PosLit). É autor de livros sobre Graciliano Ramos, Age de Carvalho, Roberto Bolaño e poesia contemporânea. Editou, entre 2015 e 2021, a revista Cadernos Benjaminianos (UFMG). Edita atualmente, com Daniel Arelli e Victor da Rosa, a Ouriço – revista de poesia e crítica cultural.

A partir da obra de Paulo Bruscky, Lenora de Barros, Ricardo Aleixo e Marília Garcia, o curso pretende descrever e interrogar a presença e os usos da performance na poesia brasileira das últimas décadas, relacionando o entendimento da questão ao mesmo tempo com as teorizações da vanguarda brasileira (concretismo, neoconcretismo, poema-processo) e com o desdobramento particular de proposições teóricas de outra ordem (ecos Dada, minimalismo, Pop Art, arte conceitual).

As sessões terão lugar na sala do Instituto de Estudos Brasileiros da FLUC. Serão atribuídos certificados de participação. Mais informação sobre o curso aqui.

Acesso Zoom para a sessão de dia 7 de dezembro:
https://videoconf-colibri.zoom.us/j/87569335669?pwd=a3c0eExJanVpSzRERmVXR0FTc0NGdz09

ID da reunião: 875 6933 5669
Senha de acesso: 496992

Acesso Zoom para a sessão de dia 9 de dezembro:
https://videoconf-colibri.zoom.us/j/82128902353?pwd=UHhCNmxtSGlYWEQ3MCsyUEpPQTVHUT09

ID da reunião: 821 2890 2353
Senha de acesso: 201661

Projetos em Curso: Keissy Carvelli

22/11/2021
© Cartaz de Tiago Santos.

No próximo dia 24 de novembro de 2021, pelas 14h00, tem lugar no Instituto de Estudos Brasileiros a conferência de Keissy Carvelli «Três ‘Minifestos’ de Paulo Leminski: o fim das vanguardas ou o início da ‘vulgarda». Keissy Carvelli é estudante do Doutoramento em Letras na Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho” (Unesp/Assis). Esta conferência integra-se na série de conferências e seminários destinados à apresentação de projetos de investigação em curso, sendo uma organização conjunta do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura e do Instituto de Estudos Brasileiros da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Keissy G. Carvelli é doutoranda do Programa de Pós-graduação em Letras, pela Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho” (Unesp/Assis). Atualmente, desenvolve pesquisa intitulada “A língua como um problema crítico em Ensaios e Anseios de Paulo Leminski” no Programa de Pós-graduação em Literatura de Língua Portuguesa da Universidade de Coimbra, através do Programa de Internacionalização da Capes (Capes PrInt), e em diálogo com o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade de Coimbra.

A presente conferência analisa três textos do poeta paranaense Paulo Leminski, publicados em 1976 e nomeados, curiosamente, “minifestos”. Busca-se relacioná-los, a partir da forma e do conteúdo,  com o “problema do fim dos manifestos” (tal como teorizado por Marcos Siscar) e com a impossibilidade histórica e cultural de projetos artísticos coletivos (posição defendida por Theodor W. Adorno).

MATLIT 9.1 está em linha

17/11/2021

PT

Foi publicado o Volume 9.1 (2021) da revista MATLIT: Materialidades da Literatura. Este número, organizado por Ana Luiza Fernandes (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), Karl Erik Schollhammer (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) e João Queiroz (Universidade Federal de Juiz de Fora), intitula-se “Fotolivros de Literatura: Teoria e História”. Além da introdução dos editores convidados, a secção temática publica textos de Amir Cador, Renata Fernandes Veloso Baralle e Marivalde Moacir Francelin, Gabriella Mendes e Rita Gomes, Ana Luiza Fernandes e João Queiroz, Karl Erik Schollhammer, Ana Paula Vitorio, Juliana Mantovani, Alfredo Brant, Mariane Pereira Rocha e Aulus Mandagará Martins, e Alice Girotto. Destacam-se ainda as entrevistas a Moritz Neumüller, por João Queiroz e Ana Luiza Fernandes, e a Duarte Belo, por Manaíra Aires Athayde. A secção “Mediarama” apresenta um ensaio-colagem, em versão tipográfica e caligráfica, de Maruzia de Almeida Dultra. Por fim, são publicadas nove recensões críticas a novos livros.

Todos os textos se encontram disponíveis em formato html e pdf. A MATLIT adota uma política de acesso integral livre, podendo os textos ser lidos em linha ou transferidos para uso pessoal. O acesso pode ser feito a partir do índice geral.


EN

Volume 9.1 (2021) of MATLIT: Materialities of Literature has been published. This issue, edited by Ana Luiza Fernandes (Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro), Karl Erik Schollhammer (Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro) and João Queiroz (Federal University of Juiz de Fora), is titled “Literary Photobooks: Theory and History”. Besides the introduction by the guest editors, the thematic section includes texts by Amir Cador, Renata Fernandes Veloso Baralle and Marivalde Moacir Francelin, Gabriella Mendes and Rita Gomes, Ana Luiza Fernandes and João Queiroz, Karl Erik Schollhammer, Ana Paula Vitorio, Juliana Mantovani, Alfredo Brant, Mariane Pereira Rocha and Aulus Mandagará Martins, and Alice Girotto. This issue also contains two interviews: Moritz Neumüller is interviewed by João Queiroz and Ana Luiza Fernandes, and Duarte Belo is interviewed by Manaíra Aires Athayde. The “Mediarama” section contains an essay-collage, in typographic and calligraphic versions, by Maruzia de Almeida Dultra. In the review section, readers will find nine reviews of new books.

All texts are available in html and pdf formats. MATLIT has a policy of free full-access to all texts, which can be read online or downloaded for personal use. Access can be made from the contents page.


ES

Se ha publicado el volumen 8.1 (2021) de MATLIT: Materialidades de la Literatura. Este número, editado por Ana Luiza Fernandes (Pontificia Universidad Catolica de Rio de Janeiro), Karl Erik Schollhammer (Pontificia Universidad Catolica de Rio de Janeiro) y João Queiroz (Universidad Federal de Juiz de Fora), se titula “Fotolibros literarios: teoría e historia”. La sección temática incluye textos de Amir Cador, Renata Fernandes Veloso Baralle y Marivalde Moacir Francelin, Gabriella Mendes y Rita Gomes, Ana Luiza Fernandes y João Queiroz, Karl Erik Schollhammer, Ana Paula Vitorio, Juliana Mantovani, Alfredo Brant, Mariane Pereira Rocha y Aulus Mandagará Martins, y Alice Girotto. Este número incluye dos entrevistas: con Moritz Neumüller, de João Queiroz y Ana Luiza Fernandes, y con Duarte Belo, de Manaíra Aires Athayde. La sección “Mediarama” presenta un ensayo-collage, en versión tipográfica y caligráfica, de Maruzia de Almeida Dultra. Finalmente, se publican nueve reseñas de nuevas publicaciones.

Todos los textos están disponibles en formato html y pdf. MATLIT tiene una política de libre acceso a todos los textos, que se pueden leer en línea o descargar para uso personal. El acceso se puede hacer desde la tabla de contenidos.

CFP: Colóquio dedicado a Salette Tavares (1922-1994)

14/11/2021
O Menino Ivo, 1978. Tapeçaria de Portalegre. Coleção de João Aranda Brandão. Poema de Salette Tavares.

O ano de 2022 assinala o centenário do nascimento de Salette Tavares (1922-1994), autora de obra múltipla, articulada em linguagens rigorosas e inovadoras. A Universidade Fernando Pessoa associa-se ao programa Reencontrar Salette Tavares. Cem Anos Agora: Educar, Brincar, Comunicar com a organização do Colóquio Salette Tavares, «vocação de ser itinerante» para discutir as múltiplas intersecções e diálogos  que a obra desta autora ainda sinaliza e aciona. O colóquio realiza-se em linha a 20 e 21 de julho de 2022 através da plataforma Zoom.

Propostas de comunicação devem ser apresentadas até 28 de fevereiro de 2022
Lista de temas possíveis e mais informações em https://po-ex.net/divulgacao/ST2022.pdf

VOX LIT – episódio 3

11/11/2021

Coleção Cibertextualidades, Volume 3

09/11/2021

Poesia Programa Performance (2021)

Acaba de ser publicado o Volume 3 da coleção “Cibertextualidades”: Bruno Ministro e Sandra Guerreiro Dias, orgs. (2021), Poesia Programa Performance: projetos, processos e práticas em meios digitais, Porto, Publicações Fundação Fernando Pessoa. ISBN 978-989-643-173-0. ISSN: 1646-4435. O livro circula gratuitamente como eBook, depositado no Repositório Institucional da UFP: http://hdl.handle.net/10284/10316

Além do texto de apresentação do volume – Bruno Ministro e Sandra Guerreiro Dias, “Introdução”, pp. 9-15 – , destaquem-se os artigos de Ana Marques, “Tradução e Distorção na Poesia Algorítmica de Eugenio Tisselli”, pp. 37-45; Diogo Marques, “Da Programabilidade Criativa à Criação Programada: Linhas Programáticas para uma Potencial Poética do Algoritmo”, pp. 111-127; Tiago Schwäbl, “Na Margem de um Canavial… o Que Murmura?”, pp. 157-167; e o poema de Liliana Vasques, “Então Como Crescex-M x / Poemas”, pp. 128-129. Refira-se ainda a tradução de Patrícia Reina de um artigo de Johanna Drucker (“Sítio Fora de Cena: Ideologia Medial e a Interface Literária”, pp. 19-33).

Sinopse do volume

Em Poesia Programa Performance defende-se a importância de pensar a contemporaneidade digital numa perspetiva conjunta entre projetos poéticos, processos programáticos e práticas performativas. Este livro configura também um dispositivo interventivo no sentido ontológico da ação crítica que esta cultura pós-medial suscita. Os diferentes contributos provenientes de diferentes campos, desde a poesia experimental, as artes computacionais, passando pelos estudos da performance e por várias formas de escrita expandida, dão conta da fluidez inquieta que atravessa os atuais modos civilizacionais contemporâneos, ao mesmo tempo que, traçando uma aproximação ao seu estudo, génese e entendimento, antecipam cenários futuros.

“Formas: Do Texto Tangível ao Imaterial”

06/11/2021

“Formas: Do Texto Tangível ao Imaterial” Exposição no Convento São Francisco, Galeria Pedro Olayo (Filho): de 7 de novembro de 2021 a 2 de janeiro de 2022, quarta a segunda: 15h00 às 20h00.

Curadoria de Ana Boavida, Luís Lucas Pereira e Pedro Martins

A partir de uma seleção de trabalhos criados no âmbito da unidade curricular Projeto 3 – Aplicações Multimédia da Licenciatura em Design e Multimédia da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, a exposição “Formas: do texto tangível ao imaterial” reúne um conjunto de objetos editoriais e multimédia, focados numa vertente de transmediação, que se assumem como formas alternativas de representação de um conjunto de obras literárias relevantes dos séculos XX e XIX. Numa confluência de disciplinas que inclui o design editorial, a ilustração, o design computacional, a programação multimédia, o design de interação e a literatura eletrónica revelam-se objetos que oferecem a possibilidade de novas leituras e interações sobre obras como “The Veldt” (Ray Bradbury, 1951), “Lamb to the Slaughter” (Roald Dahl, 1953), “Crímenes Ejemplares” (Max Aub, 1957) ou “The Raven” (Edgar Allen Poe, 1845).


Materialidades da Literatura na Entreler (revista do Plano Nacional de Leitura)

03/11/2021
Entreler Nº 1, outubro de 2021 (revista digital do Plano Nacional de Leitura)

Foi publicado em outubro de 2021 o número 1 da Entreler, uma publicação periódica anual da responsabilidade da equipa do Plano Nacional de Leitura. Trata-se de uma revista digital que “tem como objetivo divulgar estudos e reflexões sobre a leitura, a escrita e a literacia, em todas as faixas etárias e nas suas múltiplas dimensões (educativa, literária, social, antropológica, …) e contextos (formal, informal e não formal), bem como projetos e atividades de promoção da leitura e formação de leitores. Dirige-se a mediadores, docentes, formadores, investigadores, bibliotecários, técnicos e a todos os que partilham o interesse pela leitura, pela escrita e pelas literacias.” O primeiro número inclui dois artigos de membros do Grupo de Investigação Mediação Digital e Materialidades da Literatura: Ana Sabino, «Do livro como objeto à leitura como evento»; e Diogo Marques e Ana Gago“As florestas não brotam, não se multiplicam, não suspiram”: ciberliteratura e educação ambiental» .

O desenvolvimento do meio digital enquanto suporte de leitura permite, retroativamente, observar como certas características que são agora evidentes e indissociáveis do meio digital estavam já presentes, ainda que o seu reconhecimento estivesse ainda latente, no códice. Depois de a teoria crítica se debruçar sobre os novos meios e suportes de escrita e leitura, o carácter transitório e de ocorrência da experiência de leitura tornou-se mais evidente. Vários estudos literários exigiam já a presença e a ação do leitor, assim como de outros agentes, para que o texto existisse. Mas talvez não se tenha dado ainda a importância devida ao ato que o leitor efetua. Mais ainda: não foi dada a devida importância ao objeto, que funciona tanto como caixa fechada como como chave para a abrir, nesse ato de leitura; ele não só contém o texto, mas também aquilo que permite que o leitor o descodifique. Este artigo pretende, além de sublinhar a importância do ato de leitura como fator constitutivo do livro, dar a ver o papel da materialidade do livro nessa ação: se é necessariamente o leitor quem ativa um livro, produzindo leitura, o próprio livro traz consigo um conjunto de características formais, que respondem a vários protocolos de leitura, às quais chamo «instruções de leitura».

Ana Sabino, «Do livro como objeto à leitura como evento», Entreler, Nº 1.

Partindo da exploração do potencial lúdico-pedagógico de processos combinatórios e permutacionais de escrileitura, no presente artigo propomo-nos discutir possíveis aplicações da ciberliteratura no âmbito do desenvolvimento de estratégias de educação ambiental, dentro e fora do campo de ação institucional. Através da análise do poema ciberliterário Árvore (2018), da autoria do investigador e poeta experimental Rui Torres, e da sua relação com práticas artivistas e hacktivistas, a ciberliteratura é colocada em diálogo com problemáticas como a sustentabilidade e a obsolescência tecnológica.

Adicionalmente, será feita referência a outros exemplos de criações artístico-literárias (pós-)digitais, com impacto internacional, enquanto partes integrantes de um mesmo ecossistema, como About Trees (2015), da autoria de Katie Holten, DEFOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOREST (2017), da autoria de Joana Moll, e Amazon (2019), de Eugenio Tisselli. De forma a ilustrar a continuidade da Ciberliteratura no contexto alargado das práticas experimentais em Portugal, são ainda convocados alguns dos seus precursores, como Soneto Ecológico (2005), instalação de poesia ambiental, da autoria de Fernando Aguiar. 

Colocando em diálogo tradição e inovação, escrevem-se (e recombinam-se) vários caminhos de possibilidade a partir de/para a literatura digital, enquanto manifestação artístico-literária e enquanto ferramenta educativa, interventiva e mobilizadora.

Diogo Marques e Ana Gago, « “As florestas não brotam, não se multiplicam, não suspiram”: ciberliteratura e educação ambiental», Entreler, Nº 1.

MATLIT participa do Folio 2021

21/10/2021

O Programa e Doutoramento em Materialidades da Literatura participou, em 16 de outubro, do Festival Literário Internacional de Óbidos – FOLIO 2021, dentro da programação FOLIO Mais. O evento foi realizado das 17h às 19h, no The Literary Man Óbidos Hotel, com a participação de Manuel Portela, coordenador do Programa, e dos doutorandos, Nuno Meireles, Mafalda Lalanda, Elena Soressi, Jaqueline Conte e Cecília Magalhães.

Manuel Portela apresentou brevemente o Programa e introduziu alguns dos temas que podem suscitar debates e estudos dentro das materialidades literárias. Na sequência, em participação por vídeo, Nuno Meireles abordou “A voz como reescrita do texto”, apresentando e comentando excertos em vídeo de peças teatrais, a ressaltar o papel da voz literária encenada. Mafalda Lalanda e Elena Soressi falaram sobre “A escuta como leitura aural”, apresentando algumas possibilidades de práticas literárias auditivas, como os serviços de streaming que oferecem audiobooks. Também comentaram a respeito do podcast Voxlit, criado recentemente pelo Programa de Materialidades da Literatura e disponibilizado no Youtube. Jaqueline Conte abordou “O livro digital para crianças como jogo de interação”, focando nos aplicativos literários voltados à infância. Em sua fala, ela mostrou trechos de produções digitais, comentando sobre os diferentes recursos multimídia e de interação que os apps oferecem. Por fim, Cecília Magalhães falou sobre “O computador como máquina literária”, mostrando algumas das possibilidades de interação que o Arquivo LdoD oferece e falando a respeito de seu projeto de Doutoramento, Fragmentos em Prática, que incentiva a leitura e a apropriação de fragmentos do Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa, disponibilizados no Arquivo, assim como a criação colaborativa de edições virtuais temáticas e a escrita de novos textos.

Este é o quinto ano em que o Programa de Materialidades da Literatura da Universidade de Coimbra participa do Festival Literário FOLIO. Em 2016, tomou parte no colóquio “Literatura e Matemática I” e na exposição “Bird-Watching“ (22 de setembro a 2 de outubro de 2016, Joshua Enslen e Alaina Enslen); em 2017, no colóquio “Literatura e Matemática II” e na exposição “Et Sic In Infinitum: Uma Instalação Intermedial e Transliterária” (21 a 29 de outubro de 2017, curadoria de Carolina Martins e Diogo Marques); em 2018, no colóquio “Literatura e Matemática III”, com a performance “Literatura e Cibernética” (30 de setembro de 2018, Ana Marques e Manuel Portela); e em 2019, no colóquio “Matemática e Literatura IV” (13 de outubro de 2019, com Nuno Meireles, Thales Estefani, Patrícia Reina e Manuel Portela).

Abaixo, a página do programa do FOLIO 2021 que informa sobre a intervenção e algumas fotos do evento.

Conferência de María Andrea Giovine

08/10/2021

© Cartaz de Pedro Brochado.

Na próxima terça-feira,  12 de outubro de 2021, 17h00, terá lugar no Centro de Literatura Portuguesa (7º piso, FLUC) a conferência de María Andrea Giovine (UNAM – Universidade Nacional Autónoma do México) “Poéticas materiales en la literatura mexicana reciente“. Organização: Doutoramento em Materialidades da Literatura e Centro de Literatura Portuguesa.

Sinopse

Presentaré un recorrido por algunas propuestas de la literatura mexicana reciente en las que la materialidad resulta clave para la significación y, por tanto, se encuentran insertas en las denominadas “poéticas materiales”. Buscaré mostrar un repertorio de estrategias amplias, que van desde la incorporación de la imagen y la visualidad, el cuestionamiento sistemático al libro como dispositivo, las dinámicas en las que intervienen procesos de borradura o tachadura, libros de artista, libros objeto, encuadernaciones conceptuales, entre otras, enfatizando las múltiples implicaciones para la legibilidad y la multiliteracidad.

María Andrea Giovine

Doctora en Letras (Literatura comparada) por la Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM). Es investigadora del Instituto de Investigaciones Bibliográficas de la UNAM y miembro del Sistema Nacional de Investigadores. En 2012 obtuvo el Reconocimiento Distinción Universidad Nacional para Jóvenes Académicos, en el área de Docencia en Humanidades. Sus líneas de investigación giran en torno a las relaciones entre imagen y texto, así como a los cruces entre literatura y artes visuales en el siglo XX y XXI, la intermedialidad, las poéticas visuales en papel y en soportes alternativos, la configuración del discurso poético y los vínculos entre cultura impresa y cultura visual. Desde 2013 es miembro del Laboratorio de Literaturas Extendidas y Otras Materialidades (lleom.net). Desde 2018 es miembro fundador y co-coordinadora del Seminario Permanente de Investigación sobre Revistas de América Latina (ESPIRAL). Es tutora y docente del Posgrado en Historia del Arte en donde se dedica a enseñar materias centradas en intermedialidad e iconotextualidad. Es autora del libro Ver para leer, en el cual se abordan, desde una perspectiva intermedial, un amplio abanico de relaciones entre literatura y artes visuales y se centra en las manifestaciones contemporáneas de la poesía en soportes alternativos (holopoesía, poesía en la piel, biopoesía, ciberpoesía y videopoesía). 

“um desejo inconcebível de abrir todas as portas”

24/09/2021

um desejo inconcebível de abrir todas as portas_antónio aragão

17/09/2021

Inaugura hoje, 17.09.2021, pelas 18h, na Casa da Cultura de Santa Cruz (Madeira), a exposição “um desejo inconcebível de abrir todas as portas_antónio aragão“, que conta com curadoria de Bruno Ministro, e que integra o conjunto de iniciativas “MULTIPLICIDADE DA EXPERIÊNCIA António Aragão (1921-2008), antena receptiva“​, programadas em 2021 para assinalar o centenário do nascimento de António Aragão. Nesta exposição (patente na Casa da Cultura de Santa Cruz até 27.11.2021) , Bruno Ministro leva-nos a revisitar a obra literária e artística de António Aragão, estando nós certos de que os trabalhos expostos deixarão pistas muito significativas para um conhecimento mais profundo e alargado desta faceta de António Aragão.

Bruno Ministro é investigador júnior no Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa da Universidade do Porto. É doutorado em Materialidades da Literatura (2020) pelo Centro de Literatura Portuguesa e Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, mestre em Edição de Texto pela FCSH-UNL (2015) e licenciado em Línguas Modernas pela FLUC (2011). É coeditor do Arquivo Digital da PO.EX (Universidade Fernando Pessoa). Além do seu trabalho no âmbito das Humanidades Digitais e Comunicação de Conhecimento em Artes e Humanidades, a sua investigação atual encontra-se dedicada às poéticas e políticas das intermedialidades, num campo de intersecção entre as áreas dos estudos literários, a teoria dos meios e os estudos culturais. Tem trabalhado recorrentemente sobre a obra de António Aragão e coedita, com Rui Torres e Ana Salgueiro, o n.º 4 (2021) da TRANSLOCAL, com o tema de capa ANTÓNIO ARAGÃO, antena receptiva (1921-2008).