Saltar para o conteúdo

Doutoramento Nº 19

21/03/2022

Realizam-se no próximo dia 28 de março de 2022, pelas 14h30, na Sala José Anastácio da Cunha (Departamento de Matemática), as provas de doutoramento em Materialidades da Literatura de Ernest Christian Bowes Junior, candidato da quinta edição do Programa, que teve início em 2014-2015. O candidato apresenta a tese «Alucinação e Virtualidade: Elementos de uma Materialidade Artística em Henri Michaux» (2021), orientada por Pedro Serra (Universidade de Salamanca) e Manuel Portela (Universidade de Coimbra).  Esta investigação foi apoiada com uma bolsa de doutoramento da CAPES (2017-2020).

O júri, nomeado por despacho reitoral de 24 de janeiro de 2022, tem a seguinte constituição:
Presidente:
Osvaldo Manuel Silvestre (Professor Associado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
Vogais:
Germán Labrador Mendéz (Professor Catedrático, Universidade de Princeton)
Pedro Serra (Professor Catedrático, Universidade de Salamanca)
Eunice Ribeiro (Professora Catedrática, Escola de Letras, Artes e Ciências Humanas da Universidade do Minho)
Marta Teixeira Anacleto (Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)
Graça Capinha (Professora Auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)

Esta tese – a décima nona do Programa de Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura – integra-se numa das linhas de investigação do Programa dedicada à análise da relação entre processos de escrita e tecnologias mediais (Ex Machina: Inscrição e Literatura, subtema “escrita e inscrição”). Ernest Bowes Jr. investiga a relação entre imagem e escrita na obra de Henri Michaux, propondo o conceito de mescaligrafia para descrever a singularidade de uma criação estética mediada pela virtualidade alucinógena da mescalina.

Resumo [excerto]

O presente trabalho Alucinação e Virtualidade: Elementos de uma materialidade artística em Henri Michaux apresenta como plano de investigação um estudo avançado sobre a materialidade da escrita e da imagem na obra de Henri Michaux, sua fenomenologia e performance literária. Neste cenário, a pesquisa teve como objetivo analisar o que se entende por experiência alucinógena e a capacidade desta vivência para servir de modelo à criação artística, mas também as relações desta experiência com a imagem e a escrita. A tese buscou explorar como a criação estética com o uso da mescalina em Michaux sustenta a ideia de um território virtual alucinógeno, ou espaço de infinitos turbulentos, produtor de uma própria economia linguística. Este trabalho baseou-se em uma série de teorias culturais, visuais, artísticas e literárias que descrevem a experiência alucinógena e argumentam sobre a importância de congregar o texto e a imagem como elementos inextricavelmente imbricados no processo de criação estética.

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: