Saltar para o conteúdo

MATLIT e a subversão de fronteiras

01/05/2019
Texto de Marie Claire de Mattia e Thales Estefani.
Fotos do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa
56775675_2525101307519088_2642628286999429120_o

Colóquio Internacional “Metalepse e Transmedialidade”, 4 de abril de 2019, FLUP: João Dionísio, Carolina Martins (MatLit) e Marie Claire de Mattia (MatLit).

Nos dias 4 e 5 de abril, decorreu, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, o Colóquio Internacional Metalepse e Transmedialidade. Organizado pelo Grupo Intermedialidades do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, da FLUP, o colóquio foi concebido em torno do conceito da metalepse como noção transmedial: a figura do deslizamento ontológico e da porosidade entre níveis narrativos manifesta em diferentes artes.
56927167_2525101014185784_1501677324397969408_o

Colóquio Internacional “Metalepse e Transmedialidade”, 4 de abril de 2019, FLUP: Paulo Silva Pereira (MatLit), Rita Novas Miranda e Thales Estefani (MatLit).

O Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura esteve representado pelos estudantes Carolina Martins, com a comunicação intitulada “To Inhabit Metalepsis: spatial availability as a way of narrative expansion”; Marie Claire de Mattia, que apresentou o trabalho “Authorship and Materialization of the Work of Art at the Cinema: An analysis of Dans la maison (2012) and Ruby Sparks (2012)”; e Thales Estefani, com “Lobo virtual come gente real? Imersão, interação e metalepse em Red Riding Hunt“. Além da contribuição dos investigadores acima referidos, o Professor Paulo Silva Pereira, docente do Programa, também apresentou uma comunicação, intitulada “Un Monde Incertain de Jean-Pierre Balpe: dispositivo, geração textual automática e metalepse ontológica”.

O programa completo do colóquio pode ser acessado através desta ligação.
Anúncios

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: