Skip to content

Patrícia Vieira e Pedro Serra, «Imagens a Fio»

24/05/2014

MatLit_Cartaz_PVePS_06Jun2014

Patrícia Vieira e Pedro Serra farão uma palestra no próximo dia 6 de junho de 2014, pelas 15h00, na Sala Ferreira Lima (6º piso, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), intitulada «Imagens a Fio: Documentário, Política e Sociedade». Nesta palestra será apresentada a obra Imagens Achadas: Documentário, Política e Processos Sociais em Portugal (Lisboa: Colibri, 2014), organizada por ambos os autores. Esta iniciativa é uma organização do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (Programa Doutoral FCT).

Resumo

Imagens Achadas propõe um percurso através do documentário em Portugal, dos seus momentos áureos e obras de referência, assim como das suas descontinuidades, falsas partidas e projetos inacabados, salientando o nexo entre documentarismo e processos sociopolíticos. A secção que abre o volume, «Crítica e Política do Documentário Cinematográfico», inclui ensaios que abordam a relação instável entre documentário, política e realidade. A segunda parte, «Documentário, Propaganda e Resistência», é dedicada ao documentarismo das primeiras três décadas do Estado Novo. Os ensaios reunidos na secção «Novo Documentário e Transformações Sociais» analisam as metamorfoses do documentarismo português resultantes da renovação estética do Novo Cinema e, posteriormente, da revolução do 25 de abril de 1974. O volume encerra com «Tendências do Documentarismo na Atualidade», onde se assinalam alguns dos traços mais proeminentes do documentário português atual.

Patrícia Vieira é Professora Associada de Literatura Comparada, de Espanhol e Português, e de Estudos de Cinema na Universidade de Georgetown e Investigadora do Centro de Governança Democrática – Globernance. É autora dos livros Portuguese Film 1930-1960: The Staging of the New State Regime (2013), tradução revista de Cinema no Estado Novo: A Encenação do Regime (2011), e de Seeing Politics Otherwise: Vision in Latin American and Iberian Fiction (2011). Co-editou ainda o volume Existential Utopia: New Perpectives on Utopian Thought (2011) e Imagens Achadas: Documentário, Política e Processos Sociais em Portugal (2014). Co-dirige a série Future Perfect: Images of the Time to Come in Philosophy, Politics and Cultural Studies da editora Rowman and Littlefield. Contribui regularmente para periódicos como Público, Aljazeera Online, The New York Times e LA Review of Books.

Pedro Serra é professor Titular da Universidade de Salamanca, Departamento de Filologia Moderna, onde é responsável sobretudo por disciplinas de literatura portuguesa. Os seus âmbitos de ensino incluem, ainda, o barroco em Portugal e a poesia portuguesa contemporânea. É investigador do Seminario Discurso Legitimación Memoria (Universidade de Salamanca) e do Centro de Literatura Portuguesa (Universidade de Coimbra). Coordenador desde 2007 do curso de doutoramento em Filologia Moderna e, a partir de 2008, subdiretor do Departamento de Filologia Moderna da Universidade de Salamanca, onde coordena a licenciatura em Estudos Portugueses e Brasileiros. Pedro Serra é ainda docente do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura, desde a sua primeira edição em 2010. Da sua extensa obra de edição e ensaio, refiram-se os últimos títulos:  Nuno Júdice, Devastación de sílabas (com edição, introdução e tradução de Pedro Serra; Ediciones Usal | Patrimonio Nacional,  Salamanca, 2013); Aula de los medios. Poesía, cine y fotografía en el Seminario Permanente Arcadia Babélica (com edição de Pedro Serra; Ediciones Usal,  Salamanca, 2012) e Estampas del imperio. Del barroco a la modernidad tardía portuguesa (Ediciones Sequitur,  Madrid, 2012).

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: