Skip to content

Jorge dos Reis e o Desenho da Escrita em Portugal

03/04/2012

A 13 de Abril de 2012, pelas 18h30, é apresentada na Biblioteca Nacional a obra de Jorge dos Reis Três Movimentos da Letra: O Desenho da Escrita em Portugal, uma edição da Biblioteca Nacional de Portugal, em três volumes. Paralelamente, decorre na Galeria da BNP uma exposição com o mesmo título dedicada aos 12 autores estudados. A exposição pode ser vista até ao próximo dia 31 de Maio.

Esta obra em três volumes pretende determinar as três áreas artísticas que fazem uso da letra: a caligrafia, a poesia tipográfica e as artes plásticas. Dentro de cada uma destas áreas seleccionam-se quatro autores que possam revelar as estratégias tipográficas e caligráficas aplicadas no processo de construção da obra e que permitam um entendimento do desenho da escrita em Portugal.

A primeira parte denominada ‘Criação e Normalização Caligráfica’ inicia-se com o estudo da evolução da escrita que conduzirá a uma estabilização de um conjunto de estilos caligráficos convencionados. Uma cronologia da caligrafia em Portugal permite fazer a transição para a caligrafia no nosso país onde são estudados os manuais caligráficos de Manuel Barata, Manuel de Andrade de Figueiredo, António Jacinto de Araújo e Joaquim José Ventura da Silva.

‘Libertação e Experimentação Tipográfica’ constitui a segunda parte do estudo iniciando-se com uma análise gráfica e histórica da notação musical, permitindo a observação consequente da partitura primitiva do século IX em contraponto com a notação linguística da fonética. Enquadram-se um conjunto de cinco obras paradigmáticas da, denominada, notação tipográfica que irá permitir consolidar o conceito de poesia tipográfica aplicado a determinadas obras de Ernesto Melo e Castro, Salette Tavares, Américo Rodrigues e Manuel Portela.

A designação ‘Expressão e Conceptualização da Letra’ aplica-se à terceira parte da investigação que se inicia com um estudo em torno das primeiras utilizações da tipografia no campo das artes plásticas onde o cartaz servia de suporte para a sua visualização. De forma sequencial são três autores que vão consolidar a utilização da tipografia no universo das artes plásticas: Picasso, Klee e Duchamp. Este último vai despoletar, na época contemporânea, quatro conceitos de abordagem denominados stencil tipográfico, escrituralismo tipográfico, design tipográfico e luz tipográfica que serão aplicados na análise de um conjunto de obras de João Vieira, António Sena, João Louro e João Penalva.

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: